Amor, sexo e muito +

Um espaço para expressão e discussão de ideias

Posts Tagged ‘infidelidade

Traição pela internet pode ser considerada infidelidade?

leave a comment »

Logo ashley madison

(Foto: Reprodução do site Ashleymadison.com) Propaganda do site: a vida é curta, curta um caso, diz o slogan

Em novembro de 2011 fiz uma matéria de cinco páginas sobre infidelidade masculina para a revista UMA e acabei abordando também os sites de traição, que haviam desembarcado naquele ano em terras brasileiras. Entrevistei o criador do site Ashleymadison.com, o canadense Noel  Biderman, por Skype, de seu escritório em Toronto. E ele, claro, defendeu seu negócio. “A infidelidade sempre foi associada à oportunidade e costumava ficar mais restrita ao ambiente de trabalho. No entanto, um caso perfeito para um homem não é apenas aquele em que se tem uma maravilhosa relação sexual, mas no qual também não há a possibilidade de ser pego, tem sigilo. No trabalho, é possível encontrar ótimo sexo, mas os outros podem saber disso”, disse Biderman sobre trair com o auxílio da internet.

Bem, como soubemos nos últimos dias, essa prática não é tão segura assim. De acordo com matéria do portal R7 que cita outro site, o Mashable, 33 milhões de usuários do Ashleymadison.com tiveram seus nomes, preferências sexuais, telefones e outros dados expostos após o ataque de hackers. Ontem (25/08)  o site brasileiro publicou que três pessoas teriam supostamente se suicidado por conta do vazamento de informações.

Verdade ou não, o fato é que muitas pessoas se utilizam da web para se conectar com outros parceiros com os quais farão sexo virtual, que pode ou não se tornar presencial. E no caso de a relação acontecer apenas via tela de computador, muitos nem mesmo verão nisso uma traição, já que não existe contato físico. Mas o tema infidelidade sempre causa polêmica talvez porque seja visto como a maior transgressão feita dentro de um casamento. E quando aliamos a traição à internet, aumentam as questões sobre o tema. Sexo virtual é sexo? Pode ser visto como infidelidade? Vale a pena utilizar a internet para ter prazer com outra pessoa e se sentir seguro de que ninguém saberá da história?

Leia também:

Instituição católica promove XX Jornada de Sexualidade com foco na Juventude; vagas são limitadas e inscrições gratuitas estão abertas

Por que os homens traem? Parte I: o amor nos tempos do Australopithecus

Por que os homens traem? Parte II: o casamento monogâmico e eterno abre as portas para a infidelidade

Dizer que homem é “Divagar” é sexista, mas usar uma gostosa para vender cerveja, não

Dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina: sim, a data existe e é hoje

Ana Paula Padrão: “Tive durante anos muitos problemas de autoestima”

Camisinhas Diferentes São opções Interessantes nenhuma Mercado

Energia sexual Bem utilizada Ajuda na Evolução Espiritual, Escritor Afirma

Presente de Natal: Mae e Filho si encontram depois de 24 Anos

Mônica Buonfiglio: “Me Decepciona ver uma mulher reclamando que não é feliz porque nao tem um namorado

A Vida Íntima dos famosos

Saia-justa: educadora sexual e dona de loja de produtos eróticos

 

Written by cleofrancisco

agosto 26, 2015 at 11:08 am

Quanto de Natalie Lamour há em você?

leave a comment »

Revi pelo youtube.com recentemente a cena de Insensato Coração, da Rede Globo em que Déborah Secco, interpretando Natalie Lamour, depois de se sentir traída e humilhada pelo marido Cortez (Hérson Capri), que atende ao pedido de Vitória (Nathália Timberg) de  não levar a alpinista social ao casamento da neta, vai para a cama com Wagner (Eduardo Galvão). Pura vingança da jovem de origem humilde que, após enfeitar a cabeça do empresário, deixa bem claro ao homem com o qual fez sexo que não sentiu prazer nenhum além do proporcionado pela ideia de que Cortez agora ostenta um belo par de chifres.

Pensei na hora em quantas mulheres já não se deixaram levar pelas emoções, tentaram atingir um homem e acabaram como as maiores vítimas de si mesmas. Natalie tinha tudo o que sempre quis. E também uma autoestima  abaixo do nível das camadas pré-sal.  Lembrei que naquele capítulo, depois de dormir com um homem pelo qual não sentia nada na tentativa de se vingar do marido, ela recorreu ao colo e à casa humilde da mãe, onde sentiu aconchego e o sabor de um prato de arroz doce.

Quando vi a cena pela primeira vez, fiquei com raiva da demonstração de burrice da loira. Depois, senti compaixão por essa  jovem que no final queria ser apenas amada e considerada. Aliás, o que todo mundo deseja. Só que a moça tinha talento inato para trocar os pés pelas mãos.  Talvez o problema maior de Natalie fosse a vaidade. Não confundir isso com autoestima.

Vaidade é quando olhamos para fora de nós, fazemos uma leitura do que achamos que é sucesso no mundo exterior e adotamos essas regras porque queremos o aplauso e aceitação dos outros. Autoestima é o oposto: focamos dentro, observando quem somos – incluindo aquilo que achamos que são pontos fracos e fortes –  e apostamos na nossa diferença para nos estabelecer no mundo. Tem a ver com conhecer-se, processo às vezes um tanto doloroso e que não termina nunca. É a autoestima que nos dá aquela sensação boa de estarmos inteiros e confortáveis dentro dos limites de nossa pele.

Ao assistir a cena, também pensei em algumas figuras públicas. Mulheres que aparentemente têm tudo o que as mortais comuns gostariam para si. Lembrei-me de casos famosos de belas e jovens modelos, atrizes e cantoras que também frequentaram as primeiras páginas porque roubaram algum objeto barato num shopping, ou foram flagradas pelos tabloides cheirando cocaína, ou então tiveram de se defender em um processo por bater em empregados, ou ainda preso por dirigirem bêbadas e drogadas…

Não que possuir beleza, fama ou juventude signifique, obrigatoriamente, que a pessoa que desfruta desses benefícios tenha problemas de comportamento ou transtornos.  Mas esses atributos tão cobiçados asseguram que a pessoa que é dona deles cultiva o amor por si? Pela minha observação, só quem se gosta pode sentir o mesmo pelos outros e estabelecer vínculos reais daquele afeto tão almejado. Uma coisa depende da outra. A gente não pode dar aquilo que não tem. Quem se gosta de verdade, preza sua saúde, bem-estar, a integridade física e emocional.

Mas concordo que é difícil manter a autoestima em nível saudável.  As revistas e propagandas pregam que a mulher realmente feliz é jovem, linda, magra, bem sucedida profissionalmente, ótima esposa, mãe espetacular. Ela está apta para redigir um relatório para o chefe, testar a receita de bolo de carne e ter orgasmos múltiplos com parceiro. Tudo isso ao mesmo tempo, claro.

Leia também:

Nem todo hetero gosta de mulheres

Thiago Fragoso sobre cena de O Astro: “Ficar nu foi o de menos”

Tire a cabeça da bunda e seja mais feliz

Etiqueta sexual: evite mentir que ligará para ela no dia seguinte

Jaque Khury posa nua e fala sobre saída de Legendários: ” Fui mandada embora pelo Marcos Mion”

Ejaculação precoce está entre as disfunções sexuais mais difíceis de se tratar

Camisinhas diferentes são opções interessantes no mercado 

Preserv lança o maior e mais fino preservativo do país

Prudence lança preservativos com sabores de cola e melancia

Mulheres gemem para estimular o orgasmo do parceiro